CONSULTOR SÓ PRESTA PARA DAR OPINIÃO
   Autor: Delair Zermiani

O título é um chavão muito usado atualmente. Uma das principais críticas é a de que o empresário paga para ouvir opiniões. E aí um outro provérbio popular dá as caras: “Se opinião fosse boa, ninguém dava, vendia”. Justamente, por isso consultor (que é consultor) cobra pelos seus serviços. Aí alguém pode dizer: posso ouvir opiniões sem pagar. Com certeza. O que muito existe hoje são pessoas opinando; opinando sobre tudo. E o que igualmente se tem hoje são muitas pessoas não ouvindo. Entenda-se: é como a lei do mercado - produto em escassez, mais precioso é considerado; produto sobrando, mais desvalorizado é (não importa sua utilidade). Como hoje, quando se dá um topão com uma pedra, saem de lá uma multidão de consultores e uma montanha de palestrantes, a tendência do empresariado desinformado é julgar sua desvalia. Enganam-se. Basta olhar para uma empresa que investe continuamente em seus colaboradores através de palestras e treinamentos e tem uma consultoria especializada: menos fatia no mercado, mais posicionamento ela perde? É óbvio que não!

Quanto mais necessário se faz um serviço de consultoria, mais atenções se voltam para ele, mais críticas se fazem, mais charlatões aparecem e igualmente mais Profissionais despontam. Se algum consultor fez “caca” prestando serviços para você, não se deve julgar os demais pelo (des)serviço prestado por um metido a consultor.

Outro comentário que empinica meus ouvidos é: se o consultor fosse tão bom ele mesmo teria sua empresa e faria com que desse lucro. Agora, me responda: você só vai num médico se ele já tiver tido todas as doenças catalogadas pela medicina? Só vai naquele dentista que já teve todos os problemas bucais imagináveis? Médicos e dentistas têm suas próprias experiências e estudam cases para aprender. De posse desses conhecimentos, eles atendem os demais. Nenhum ser humano é capaz de ter todas as doenças para só depois ser médico. Com o consultor é a mesma coisa. Ou você, ingenuamente, espera encontrar alguém que tenha tido todos os problemas corporativos possíveis, ele mesmo? Você nunca vai encontrar. Será que não é justamente por saber isso que você tem uma excelente desculpa para atirar pedras em serviços de consultoria? Não seria o medo de estar errado? De ouvir o que não gostaria? Ou que “já sabia”? Muitos “já sabiam”, mas interessante é que não dizem isso antes...

O serviço de consultoria precisa vir para abrir a boca dele. Aí, o boca-aberta espalha pelos quatro cantos que não precisava ter pago para ouvir aquilo. E se ouvem o que não querem, o consultor(a) é que não é bom, não sabe do que está falando, não conhece o dia-a-dia da sua empresa. Ouvi de um amigo e aqui repito: meus senhores (e senhoras): o cocô é o mesmo, o que mudam são as moscas! E o serviço de consultoria é especialista em moscas: mosca-doméstica é aquela que aparece, geralmente, em empresas familiares; mosca-das-frutas é aquela que só vem quando o cheiro de estragado aparece, aí dá pitaco, resmunga, fica zunindo no ouvido da gente; a mosca-de-estábulo aparece quando o líder é um cavalo; a mosca tsé-tsé aparece quando a empresa está desmotivando tanto que ela prefere tirar uma soneca; a mosca-do-queijo aparece depois que o leite coalhou só para ver no que resultou o leite; a mosca-do-pombo só aparece na plumagem alheia; a mosca-varejeira aparece só para depositar os ovos em substâncias orgânicas em decomposição... É isso aí, doa em quem doer, mas repito: o que muda são as moscas, o cocô é o mesmo. E um serviço de consultoria com qualidade sabe disso com palavras mais organizacionais...

Outro dado interessante da história é que, geralmente, não se contrata um consultor conhecido. Como seu histórico de vida é sabido, o veredicto é: “Quem é ele?”. Aí se chama alguém de fora. Sabe por quê? Porque você, empresário, não conhece o histórico do outro; e como tudo que vem do exterior é melhor, contrata outro. Isso também é algo que me deixa fora do meu domínio emocional, dos meus verbetes controlados. É mais ou menos como a história da esposa e das outras: as outras são melhores. São melhores em quê? Se a esposa não tem o comportamento desejado ou a estética cobiçada pelo marido (ou vice-versa) não seria falha na comunicação? Falha no entendimento? É melhor buscar outra ‘solução’ do que enfrentar o problema que, muitas vezes, está com quem procura a outra. Assemelha-se também com os pregadores cristãos: quando aparece alguém de fora, lota a ‘igreja’. E também é assim com palestras: comumente chama-se alguém de fora porque o prestígio é maior. E quando é uma celebridade, então? Aí a coisa é diferente, tudo o que ele fala é lei: “Fulano de Tal disse isso”. Você não vê ilustres desconhecidos muito mais sábios do que muuuuitas celebridades por aí? É que, às vezes, dá status falar que ouviu diretamente do Tal Fulano, entendo...

Consultoria presta para dar opinião, sim! Assim como o médico para dar seus diagnósticos. Sabe o que mais digo para esses que falam mal dos consultores: Vão Às favas! Estou cansada disso.